Contactless NFC

O que é pagamento Contactless ou NFC?

Por

Entenda como essa tecnologia funciona e porque 2018 está sendo o ano do contactless

Falar que o público busca por inovações se tornou repetitivo. Mas a verdade é que esse desejo exigiu transformações de todas as etapas de compra, inclusive as de pagamento. Situação que resultou no aparecimento do “contactless” ou “NFC” (Near Field Communication) que, basicamente, é uma forma de pagamento por aproximação.

Não tem mistério. Para efetuar a transação por esse método basta aproximar o seu aparelho emissor, entre 2 e 10 cm de distância, do receptor que contenha o NFC.

O sistema funciona graças aos sinais de radiofrequência, permitindo a compra e venda de produtos por meio da proximidade do celular, cartão ou pulseira, de um leitor móvel de cartão, de uma máquina de cartão, ou até mesmo de outro celular.

Período de mudanças nas formas de pagamento

A forma de pagar por serviços ou produtos vêm mudando nos últimos anos, dentro e fora do Brasil. A busca por mais fluidez e agilidade retirou do mercado alguns meios de pagamento, como o cheque, por exemplo.

Mesmo sendo muito utilizado até a metade da década passada, o cheque caiu em desuso por ser inseguro em relação às fraudes e por ter um processo lento entre o momento de pagamento e o de recebimento.

Por outro lado, surgiram outras inúmeras formas de pagar e receber, com processos muito mais simples e seguros, e que atraem cada vez mais usuários. Parte deste sucesso se deve às carteiras digitais que, por meio de sua flexibilidade, viabilizaram a maioria das inovações do setor.

Transformações como essas criaram uma procura insana por velocidade e eficiência, afinal, quem não quer facilidades? A exigência por mais praticidade na compra está promovendo cada vez mais o contactless, já que sua facilidade é algo extremamente original.

Compatibilidade de aparelhos com a tecnologia NFC

O NFC funciona em dispositivos com os sistemas iOS, Windows Phone e Android, desde que esses já possuam a tecnologia de fábrica. Além disso, é necessário instalar aplicativos voltados para a comprovação das transações e também para a leitura de códigos de barras.

O seu smartphone ou tablet pode utilizar o sistema contactless com o Google Pay, ou o Samsung Pay, por exemplo, entre outras soluções que estão promovendo o NFC no Brasil.

Entre as novidades do setor, vale destacar o BPP Tag, uma pulseira de pagamentos com um gadget leve resistente à água. Alternativa que foge da lógica convencional dos cartões e propõe uma abordagem mais direta nos pagamentos, tudo com a cobertura VISA.

Outro atributo dessa solução fica por conta da falta de papelada, ou seja, não é necessário ter conta em banco, comprovar renda ou residência. Você solicita, recebe em casa, ativa no site e já pode sair usando.

Experiência no Brasil

Mas a tecnologia NFC é nova? Nem tanto. A verdade é que desde 2013 o nosso país já possui aparelhos com essa função, inclusive, mais de 94% dos smartphones em circulação hoje têm essa tecnologia, de acordo com a empresa holandesa Gelmato.

Então por que o contactless não emplacou?

Mesmo com essa imensa disponibilidade, a adesão pela forma de pagamento via NFC ainda está ganhando o brasileiro. Sucesso que parece ser uma questão de tempo, afirma o gerente de produtos da Visa, Leandro Garcia:

“O que falta é treinar o varejista para usar a tecnologia. Uma das ações da empresa neste ano é incentivar as entidades que oferecem as máquinas a treinar o comerciante. Penso que 2018 será o ano dos pagamentos por aproximação”, relata Garcia.

Mas a flexibilidade e transparência que o sistema possui deve conquistar todos os públicos, ou seja, a categoria de pagamento por aproximação deve atrair os grandes, médios, micro e pequenos negócios, mesmo aqueles que atuam na venda de produtos e serviços de baixos valores.

As quatro formas de transmissão:

Para efetuar as transações, o aparelho com a tecnologia NFC pode realizar o pagamento por aproximação de quatro maneiras distintas, são elas:

Passiva: só produz o sinal de conexão para outro dispositivo.
Ativa: envia e recebe informações, alternativa mais usada para compras em lojas.
Leitor e gravador: reconhece, modifica e grava novos dados. Este é o tipo de NFC que possibilita recarregar o Bilhete Único via smartphone, por exemplo.

Peer-to-Peer: onde dois mecanismos comunicam-se entre si, similar ao que ocorre via Bluetooth, contudo, com menor gasto de energia, além de ser mais simples e seguro.

Existe alguma proteção no processo?

A troca de dados, feita durante uma transação contactless, é processada em mão única. Em outras palavras, o dispositivo receptor não tem acesso aos dados confidenciais, como informações da carteira digital ou da conta bancária. Fato que deixa a operação mais simples e segura.

Como mencionado antes, a necessidade de aproximar os aparelhos de pagamento minimiza a chance de interferência ou roubo de dados, já que é preciso ficar a pelo menos 10 centímetros de distância do aparelho para tentar algo do tipo, situação que expõe facilmente qualquer hacker.

Contudo, a tecnologia NFC também pode causar dor de cabeça em relação à perda ou furto do smartphone, ou dispositivo com a função, caso a prestadora do serviço não tenha medidas de segurança contra essas eventualidades.

Por isso, para evitar problemas, é importante que você certifique-se que a empresa contratada possua dispositivos de bloqueio e recuperação de dados.

Acesse bpp.com.br e conheça as melhores soluções financeiras para o seu negócio.

Veja também

Deixe seu e-mail e receba nosso conteúdo

A BPP é especialista em meios de pagamento inteligentes.

Seu e-mail não será publicado em outros canais.