Entenda o conceito de open banking e o seu impacto no mercado financeiro

Por

Compreenda o conceito de open banking e como ele está impactando o mercado financeiro. Uma modalidade que está chamando atenção dos bancos, instituições financeiras e fintechs pelo mundo.

Proporcionar uma experiência cada vez mais completa, é o desafio dos bancos e fintechs no dias de hoje, quando se trata de conquistar novos clientes. Pensando nisso, foi criado um novo conceito, chamado de Open Banking, que em uma tradução literal, significa “banco aberto” ou “sistema bancário aberto”.

Mas o que significa open banking e quais são os impactos desse conceito que coloca o cliente no centro das inovações do setor financeiro? Isso que nós vamos explicar neste conteúdo, de uma maneira didática para que fique fácil o entendimento deste novo conceito.

O que é open banking?

Imagina você não precisar iniciar uma relação do zero quando passa para uma outra instituição financeira? Ou seja, todo o seu histórico, pagamentos, empréstimos, tudo que era vinculado com o outro banco, você pode levar e usar como referência onde quiser. Em poucas palavras, este é o conceito de open banking.

Sabemos o quanto pode ser difícil e demorado construir uma boa relação com os bancos e instituições financeiras, desta maneira, com o open banking, o histórico e referências do cliente ficam visíveis para a nova instituição financeira, tornando o processo de conheça seu cliente, mais ágil e eficaz.

De fato, isso facilita muito em diversos aspectos, mas, para que o conceito de open banking fique bem claro, vamos explicar todas as suas funcionalidades.

O open banking é um modelo de negócio que funciona de uma forma um pouco diferente. Os bancos e financeiras começam a ter foco nos processos, como melhoria dos produtos por exemplo.

As instituições financeiras liberando interfaces baseadas em APIs (Interface de Programação de Aplicações ou Application Programming Interface), faz com que outras empresas possam criar aplicativos que agregam valor aos serviços do negócio.

Desta maneira, os bancos focam mais nos seus serviços primários, já que o desenvolvimento de alguns aplicativos ou integrações, passa a ser de responsabilidade de uma comunidade de servidores.

De acordo com o Banco Central, o conceito de open banking é composto por dois fatores: o compartilhamento de dados, produtos e serviços e a abertura e integração de plataformas e infraestrutura, mas não é apenas isso. Os objetivos do open banking ao longo desse período é melhorar a experiência do cliente, como:

  • Aumentar a eficiência;
  • Incentivar a inovação dos bancos e das financeiras;
  • Proporcionar melhores produtos e serviços;
  • Aumentar a competitividade no setor;
  • Promover a cidadania financeira;
  • Transparência ao usuário.

Entenda a estrutura de regulamentação do open banking no Brasil

O papel do Banco Central é trabalhar para empoderar o usuário dos bancos quando se trata dos seus dados financeiros. Pensando em todos os aspectos para atuar definindo diretrizes do ecossistema de open banking, visando promover um sistema financeiro nacional que seja eficiente e seguro.

Dessa maneira, as diretrizes emitidas pelo Banco Central garantem que os usuários adotem condutas adequadas para participar deste modelo de negócio. Esta base normativa é composta pela Resolução Conjunta nº 1, Circular nº 4.015, Circular nº 4.032, Circular nº 4.037, Comunicado nº 35.895, todos criados no ano de 2020.

Algumas regras para o funcionamento do open banking já foram aprovadas, porém, o sistema será colocado em prática de forma gradual em fases:

  • Fase 1: até 30 de novembro de 2020 os participantes deverão divulgar as informações sobre canais de atendimento, produtos e serviços oferecidos;
  • Fase 2: Até maio de 2021, serão compartilhados os dados de transações e cadastro realizados pelos clientes;
  • Fase 3: até agosto de 2021 deve ser iniciado o serviço de transação de pagamento entre as empresas participantes;
  • Fase 4: até outubro de 2021 os serviços vão ser expandidos com adição de mais informações sobre seguros, previdência, conta salário, investimentos e câmbio.

Como o conceito de open banking funciona na prática?

Este é um conceito recente que está sendo bastante abraçado pela sociedade, principalmente na Europa. A ideia principal do open banking é permitir que terceiros desenvolvam aplicações em torno das instituições financeiras.

Ou seja, o uso deste conceito pode possibilitar que um aplicativo de controle de gastos possa se conectar diretamente com o sistema do banco, por exemplo. O controle de gastos pode ser ainda mais eficaz, já que ele consegue ter acesso a um histórico de gastos, fazendo com que um padrão seja criado a partir desta rotina.

Para que isso seja concretizado, a empresa precisa criar um conjunto de APIs abertas e bem documentadas, fazendo com que tenha uma comunidade em volta da instituição financeira ou banco em questão.

Como já dito acima, essa mudança faz com que exista mais facilidade de migrar de um banco para outro ou até mesmo adquirir um novo produto. Hoje em dia, é muito burocrático essa migração ou contratação de um serviço, fazendo com que a experiência não seja das melhores.

Isso acontece, pois, as financeiras ou bancos têm um certo receio de oferecer produtos para clientes novos, pois não tem referenciais ou históricos para se basear e oferecer algo próximo ao seu perfil. Mas com o open banking isso se torna mais fácil, já que é possível compartilhar os seus dados para que outras instituições financeiras entendam melhor o seu perfil.

  • Pelo histórico é possível pedir um empréstimo em outras instituições financeiras, por exemplo, conseguindo ótimas taxas e prazos de pagamento;
  • É mais fácil desenvolver novos produtos e aplicações, já que todo o mercado está alinhado com o open banking.

Porém, não significa que todas as informações financeiras ficariam soltas no sistema ou que a tecnologia seria igual para todas as instituições. Apenas uma parte desta tecnologia precisa ser capaz de entender a plataforma, para que o cliente possa levar, caso queira, seu histórico financeiro para outras instituições.

O que são APIs?

As APIs são uma das partes mais importantes para que o open banking funcione de maneira correta. Eles vão ser as ligações da interface dos sistemas dos bancos com os outros sistemas. As APIs já são usadas para interconectar e automatizar vários processos, porém eles podem ser abertos para a comunidade, dando a chance para terceiros também acessar esse sistema de informações e criar produtos a partir deles.

Eles são usados em diversos sites, como uma forma mais rápida de se cadastrar através das redes sociais. É possível perceber que existem muitas páginas que dão a opção de cadastro usando o facebook ou qualquer outra rede social, por exemplo.

Esse é o exemplo que chega mais próximo da API do open banking, para que fique fácil o entendimento. A criação dessas APIs entre os bancos e instituições financeiras, é para que seja mais fácil o compartilhamento de informações importantes. Tornando a experiência em outros bancos a melhor possível.

Cada banco ou fintech continuaria operando com autonomia para desenvolver os seus produtos, com a ajuda da tecnologia e seguindo todos os procedimentos de segurança. Porém, a diferença é que passaria uma forma mais padronizada de se conversar entre eles.

A partir disso, a competição entre os produtos e serviços vendidos pelas instituições, seriam ainda maiores. Mas é importante ressaltar, nenhum deles têm acesso às informações sem autorização do cliente.

O open banking é um dos grandes avanços no mercado financeiro mundial atualmente, mostrando que a tecnologia e segurança podem fazer parte inclusive dos bancos. Tudo isso para proporcionar uma experiência melhor para o usuário. 

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.